You are currently browsing the tag archive for the ‘bob’ tag.

O que é isso a que chamamos de emprego? Seria vender o nosso tempo e trabalho em troca de remuneração desejável para a sobrevivência do indivíduo dentro da espécie? Há alguns meses atrás, me ofereceram uma vaga. Disseram que eu deveria trabalhar com a Companhia, onde não apenas eu teria tudo para conduzir a minha pesquisa, mas também ganharia suprimento ilimitado de papel. Bem, foi bastante tentador, devo admitir. Na Índia não tínhamos tanto contato com papel, nem mesmo esses higiênicos de três camadas. Um tal de Thompson então me deu um tapinha no ombro para selar o acordo antes de nos afastarmos.

Tempos depois, fui novamente abordado por um homem da Companhia. Foi uma época em que eu ainda me questionava se eu era um geneticista ou um motorista de táxi. Ou será que não são coisas excludentes, uma vez que o táxi segue o fluxo do trânsito como células em busca de equilíbrio molecular? Além disso, ambas profissões nos colocam em risco, já que meu pai trabalhava em ambas e morreu dentro de seu táxi e por causa de suas pesquisas. O homem agora se chamava Bob. Fomos almoçar e ele me mostrou sua habilidade de ouro. Eu não parava de lhe fazer perguntas, afinal, eu tinha acabado de conduzir uma palestra e estava aquecido para teorizações. Ele me disse para parar de filosofar em cima da comida. Mas eu estava perdido, estonteado, confuso em meus pensamentos permeados de nuvens cognitivas… Ele me lembrou que eu só tinha uma hora de almoço e, por isso, deveria utilizá-la comendo em vez de pensando. Não sei porque todo mundo diz que preciso me alimentar. Então saboreei daquela ave comestível. Embora meu estômago digerisse a carne, minha mente continuava a digerir as apresentações do destino. Quem faz as escolhas? Quem decide se lutamos ou fugimos voando? Ele me estendeu uma passagem de avião e me mandou curtir o vôo.

Já na nova cidade, ele ordenou: injete na garota. Eu não consegui. Não é muito do meu feitio injetar em garotas. Não pude fazer isso. Quando diante do dilema, parado na frente da pergunta que o destino me fazia, precisei decidir submeter-me ao Bob ou destruir o ambiente à minha volta com um rompante de ira máscula. O que eu poderia fazer? A resposta vocês já imaginam. Qualquer cientista extremamente inteligente adoraria arremessar cadeiras de laboratório nos armários de vacinas, e foi o que fiz. Exatamente como aprendi na faculdade.

Porém, essa demonstração de evolução e de enlace com o destino me trouxe como conseqüência o temor por minha vida, pois – após essa minha atitude – Niki, a mulher psicótica com superforça, foi então designada como minha nova parceira. Eu tenho muito medo do sexo oposto, como todo geneticista deveria ter; pois sei que a voluptuosa essência feminina cria um sentimento único dentro de mim que só pode se igualar à abertura de um saco de Doritos com cheiro de queijo nacho. Aprendi na Índia que é assim que são as mulheres: extremamente perigosas por serem poderosas e terem tantas armas naturais. Esta mulher com superforça também tinha uma personalidade superforte. Ela deixou isso bem claro ao fazer com que eu precisasse de um curativo no nariz no auge da nossa parceria. Eu tremia como uma gazela africana ao ver a ferocidade do leão. Assim era a feroz Niki. Eu não me sentia intimidado dessa forma desde que me intimidei com a complexidade das leis de imigração americana. As mulheres são muito complexas. Ela mandou eu levantar os olhos achando que eu estava olhando para o seu corpo, mas na verdade eu estava tentando descobrir a marca daquele adorável terninho…